Museu

Casa Museu Dr. Hermes

No início da década de 1990, a coleção passou de itinerante a permanente num espaço expositivo com cerca de 400m2, na Quinta de Aradas, propriedade em Aveiro, adquirida pela família em 1976. A habitação, contruída no século XIX ao estilo “brasileiro de torna viagem”, com traços arquitetónicos de outros tempos e outros lugares, deu origem à Casa Museu Dr. Hermes, um espaço singular que viria a enriquecer a própria coleção.

Em 2010, foi editada uma publicação, em língua portuguesa e inglesa, com uma seleção de cerca de 90 peças, representativas de diversas especialidades, prefaciada pelo Bastonário da Ordem dos Médicos, Dr. José Manuel Silva, no qual refere:

Sem dúvida alguma que a mais rara preciosidade era o próprio Dr. Hermes Castanhas. Pelo seu percurso de vida, personalidade eclética, exercício ético da medicina, espantosa memória, estonteante vivacidade e fabulosa coleção de raras preciosidades médicas. Alguém para quem se olha com aquela pontinha de saudável inveja e se pensa que também se gostaria de ter sido assim e de um dia ainda estarmos intelectualmente tão bem conservados”.

No ano de 2013, a Câmara Municipal de Aveiro deliberou classificar o imóvel da Casa Museu Dr. Hermes como Monumento de Interesse Municipal, no seu edital nº7/2013, assinado pelo então Presidente, Dr. Élio Manuel Delgado da Maia.

A Coleção

Seguindo o exemplo dos médicos oitocentistas, Hermes de Oliveira Castanhas dedicou parte da sua vida ao colecionismo e à divulgação da História da Medicina. Durante cinco décadas, construiu a sua coleção e, entre 1984 e 2007, partilhou-a em congressos e conferências, em Portugal e no estrangeiro, em colaboração com entidades como a Ordem dos Médicos, a Fundação Calouste Gulbenkian e a Presidência da República.

O acervo museológico foi aumentando ao longo dos anos, não só através da aquisição de peças, mas também de doações particulares, sobretudo de instituições ligadas à Medicina, e muitas vezes, de herdeiros de médicos interessados em valorizar os instrumentos deixados pelos seus antepassados.

Em 2020 foi realizado um inventário do acervo museológico pela CulturAge, empresa especialista, entre outras, na área da museologia científica, concluindo que a coleção é constituída por cerca de 1.800 peças, com datação compreendida entre o século XVI e o século XX, sendo a peça mais antiga a obra “Medici Physici Praestantissimi curationum medicinalum”, de Amato Lusitano, datada de 1580.

Em termos de classificação, esta coleção enquadra-se na Supercategoria – Ciência e Técnica; Categoria – Investigação e Desenvolvimento; e na Subcategoria – Ciências Médicas e da Saúde, abrangendo peças de diversas tipologias e temáticas: anestesia, ciências farmacêuticas, cirurgia, clínica geral, cardiologia, electromedicina e radiologia, enfermagem, estomatologia, fisiologia, ginecologia, laboratório, neurologia, obstetrícia, oftalmologia, otorrinolaringologia, pediatria, pneumologia. A coleção integra, ainda, uma parte de objetos ligados à medicina popular e à arte e ensino das ciências da saúde.

Abaixo pode ver uma seleção de alguns objetos, aparelhos médicos, clínicos e científicos, livros, pinturas, esculturas e mobiliário de diversas áreas, relacionadas com a medicina e as ciências da saúde, de variadas épocas e proveniências, capazes de narrar uma história plural, transversal e multidisciplinar da sociedade, ciência, medicina, política, arquitetura, cultura e mentalidades.

Skope – O futuro Museu de Medicina e Saúde

No pilar da Educação para a Saúde, a Fundação Casa Hermes está atualmente a construir o Skope – o futuro Museu de Medicina e Saúde, em Aveiro, que tem a sua origem na antiga Casa Museu Dr. Hermes, o Museu particular da família.

O novo Museu será um centro de conhecimento nas áreas da História da Medicina e um espaço de educação e de responsabilização da comunidade para comportamentos saudáveis e sustentáveis, em prol de mais saúde e bem-estar.

O visitante será desafiado a fazer uma viagem no tempo pela História da Medicina e das Ciências da Saúde, ilustrada por instrumentos e objetos de tempos antigos, ao mesmo tempo que será surpreendido por histórias incríveis.

A chegada ao século XXI marca o momento de reflexão sobre o papel de cada visitante na condução do seu estilo de vida para assegurar mais saúde e bem-estar.

O Skope tem data prevista de inauguração ainda em 2024, ano em que Aveiro é Capital Nacional da Cultura.